Ar-condicionado ou ventilador

Dias ou noites com temperatura mais elevada pedem um ambiente ventilado e fresco, não é mesmo? Seja em casa ou no trabalho, o conforto térmico contribui para o bem-estar, produtividade e ainda ajuda a evitar a sensação de fadiga.

Em determinadas épocas do ano ou dependendo da região onde você mora, o ar-condicionado e ventilador são itens essenciais para aliviar o calor.

Afinal, qual a melhor opção: comprar um ar-condicionado ou ventilador? Veja, a seguir, alguns critérios que podem ajudar na sua decisão.

Controle da temperatura

Como amenizar o calor pode ser a prioridade, vamos começar com o controle da temperatura ambiente. O ventilador faz a circulação do ar, independentemente do modelo seja ele de teto, mesa, chão, com 4 ou 6 hélices.

Apesar da corrente de ar criada, o ventilador não promove o resfriamento do ambiente, ou seja, não há a troca de calor entre o ambiente interno e externo.

Essa funcionalidade é específica ao ar-condicionado, que por sua vez opera com um sistema de retirada do ar quente do local fechado e o devolvendo com temperatura mais baixa.

Um ponto importante a se considerar é que o ar-condicionado também possui a função ventilador para potencializar essa troca e refrigerar mais rapidamente. Mas para que isso aconteça efetivamente, é preciso que o espaço não tenha outras entradas de ventilação.

Qualidade do ar

O ventilador promove o direcionamento da corrente de ar através da rotação das hélices e sua inclinação regulável. O vento criado, porém, carrega partículas no ar que podem ser prejudiciais à saúde e causar reações alérgicas e problemas respiratórios: poeiras, fuligem, pelos de animais e também microrganismos invisíveis – os ácaros.

Os filtros do ar-condicionado ajudam a reter essas partículas e, assim, tornar a qualidade do ar mais pura. Contudo, o funcionamento do ar condicionado pode interferir em relação à umidade, podendo criar um ambiente mais seco, diferente do ventilador que não interfere nessa questão.

Consumo de energia e manutenção

Em relação aos custos, será necessário avaliar também a necessidade para climatização. Por mais que o custo para compra do ventilador seja inferior ao do ar-condicionado, é comum que com o tempo, o ventilador apresente defeitos e tenha que ser substituído, sendo a vida útil do ar-condicionado mais durável.

O consumo de energia de ambos pode ser avaliado através da eficiência energética, o Selo Procel e a quantidade necessária de ventiladores para os ambientes, lembrando sempre que este pode não resolver a sensação de calor abafado.

A manutenção do ar-condicionado pode ser feita de maneira preventiva, com higienização doméstica dos filtros, seguindo as orientações do fabricante, e também por um profissional especializado em fazer a limpeza completa e verificação do funcionamento do aparelho. Esse ponto é fundamental para evitar que o acúmulo de sujeira e problemas como vazamentos do fluido refrigerante prejudiquem a eficiência energética do ar-condicionado.

Ar-condicionado ou ventilador: qual escolher?

Citamos a relação custo-benefício e ela deve balizar a sua escolha. Apesar do custo menor e a praticidade do ventilador, sem dúvidas, o ar-condicionado se mostra um investimento mais eficiente para resolver o desconforto causado pelo calor. Existem ainda modelos que operam em ciclo reverso, o famoso quente/frio, que também oferecem a função de aquecer o ambiente.

Para mais informações sobre os equipamentos de ciclo reverso, acesse a página de produtos do site da Daikin.